Ángeles Sorazu, quem és?

Ángeles Sorazu Aizpurua nasceu em Zumaya (Guipúzcoa – Espanha) sendo batizada no dia seguinte, na Paróquia de São Pedro, em seu povoado natal, recebendo o nome de Florencia. Desde sua mais terna infância, a pequena Florencia se vê adornada de graças sobrenaturais que anunciam uma predileção por parte de Deus.

Florencia cresce humana e espiritualmente, vencendo as dificuldades e lutas próprias de sua idade; sem sabê-lo ainda, caminha para o descobrimento de uma vocação que a conduzirá a formar parte da Ordem da Imaculada Conceição e que levará a cabo no Mosteiro de La Concepción de Valladolid, onde ingressa em 26 de agosto de 1891.

Quando vestir o hábito concepcionista tomará o nome de Irmã María de los Ángeles [em português, Maria dos Anjos] por sua devoção aos Santos Anjos, a quem se encomenda com fervor. Fará sua profissão solene em 06 de outubro de 1892 e desde então se entregará com todo seu ser a Jesus Cristo e a Maria Imaculada, tomando esta por Rainha, Superiora, Mestra, Diretora e Mãe. Uma atitude que a acompanhou sempre: A partir do dia que fez a consagração contei com a Santíssima Virgem para tudo. Sentia a imperiosa necessidade de ser toda de Deus em Maria.

Ven. Madre Maria de Jesus de Agreda, O.I.C.

Enquanto nada extraordinário acontece à vista exterior, Irmã Ángeles vai crescendo interiormente, bebendo seu alimento espiritual no Catecismo – ao que terá singular estima – e em algumas leituras, entre as quais destaca a Mística Cidade de Deus – obra de M. Maria de Jesus de Agreda, concepcionista e escritura mística do século XVI.

Um acontecimento de especial importância em sua vida é o momento em que descobre os livros dos Evangelhos, primeiro, e a Sagrada Escritura, depois.

Em 1893, atravessa uma intensa purificação interior que ela viverá apoiada na Virgem Maria, neste tempo seu refúgio e consolo,  ao mesmo tempo que sua mãe e mestra. A noite purificadora, vivida em heróica fidelidade e amor, a conduzirá ao desposório espiritual que terá lugar em 25 de setembro de 1894, data que celebrará todos os anos durante toda sua vida, como um momento singular de graça e aproximação a Deus.

Em 21 de fevereiro de 1904 é eleita Abadessa da comunidade, cargo que desempenhará com notável êxito, influenciando consideravelmente no crescimento espiritual e material da comunidade.

nova-imagem-de-bitmap-9

Padre Mariano de Vega, O.F.M. Cap, diretor espiritual da Serva de Deus Madre Sorazu

Em julho de 1907, começa uma segunda purificação interior, mais profunda que a que viveu anos atrás, que a dispõe interiormente para o matrimônio espiritual, graça que recebe em 10 de junho de 1911. Nesta data conta com o apoio do que fora o diretor espiritual que mais influenciou no desenvolvimento de sua vida interior, o P. Mariano de Vega, OFMCap. Graças a ele a Igreja goza na atualidade da riqueza dos escritos espirituais de M. Sorazu.

Consumado o matrimônio espiritual, M. Ángeles vive ainda mais dez anos, ao longo dos quais vai registrando aspectos da vida de união com Deus, sua contemplação da vida humana e divina de Jesus Cristo, os atributos divinos, a leitura e comentário de diversas passagens bíblicas, especialmente no Cântico dos cânticos que aplica a Virgem Maria.

No Natal de 1920, faz uns exercícios espirituais de quarenta dias com a intenção de preparar-se para  a vida do céu, segundo ela mesma afirma. Em 21 de março de 1921, confia a uma das religiosas mais íntimas, que pressente sua morte próxima. Sua saúde se deteriora progressivamente. Em 28 de agosto de 1921, expirava depois de ter compartilhado os padecimentos de Cristo, conforme ela tanto desejou e pediu em sua oração.

Resplendores de uma luz divina

Muito além dos dados biográficos, a figura de M. Ángeles transcende a história pra transmitir uma mensagem válida para os homens e mulheres de todos os tempos. Há um século de distância, sua vida e seus escritos são testemunho e anúncio profético. Sua experiência, vivida no assombro sereno que produzem as coisas divinas e recolhida simplesmente em uns folhas de papel, põe em evidência a existência de Deus e revela sua Face, ao mesmo tempo que nos diz que não podemos permanecer indiferentes diante de uma realidade tão transcendente para o homem como a presença do mesmo Deus na vida de cada homem e mulher, e no mundo inteiro, em meio de suas circunstâncias e vicissitudes.

Ángeles nos fala de um Deus que é Pai, que nos ama infinitamente, cuja bondade e misericórdia superam todos os cálculos humanos.

O estilo com que M. Ángeles, enamorada da verdade até o extremo, afrontou cada momento de sua vida nos convida a eliminar da nossa, todo engano, vaidade ou mentira para nos colocarmos na coerência de quem deixa iluminar seu pensamento pelo Evangelho de Jesus para depois agir desde as convicções da fé.

M. Sorazu nos convida a apostar por Cristo, a arriscar tudo por Ele, a escolher com decisão e coragem o caminho da santidade, concretizando-o na realidade dos afazeres cotidianos, das anedotas da convivência diária, nas múltiplas ocasiões que nos proporciona cada dia para fazer visível o amor, desde as coisas maiores – cargos e tarefas pessoais ou sociais – até os mais mínimos detalhes em que podemos perceber, com olhos atentos e coração fraterno, as necessidades de nossos irmãos, em quem Jesus nos espera para nos dizer: “A mim o fizeste”.

O ardor com que viveu enamorada de Jesus Cristo, até o “enjesusamento” – como dirá ela mesma – é a chamada eloquente a amar a Cristo apaixonadamente, com um entrega incondicional que não conhece limites, cálculos ou temores; que, deixando tudo pra atrás, se lança para o que está por vir, que estima lixo todas as vaidades passageiras deste mundo e cujo único anelo é a comunhão com Cristo e com seus padecimentos, morrendo sua mesma morte para participar em sua vida gloriosa.

Seus escritos, brotados como fruto de sua contemplação, nos anunciam as preciosas faces que podemos descobrir em Cristo: Salvador, Bom Pastor, Esposo e amante enamorado, arrebata-se diante de Cristo Rei, Mediador e Advogado nosso diante do Pai, fica apaixonada por um Coração que transborda misericórdia e bondade, que se faz Caminho, Verdade e Vida para nós, que por amor ao gênero humano se encarnou, abraçou a Paixão e Morte, ressuscitou para nos introduzir em sua glória e que prolonga sua presença real na Eucaristia.

Sob o impulso do Espírito Santo é possível viver assim. M. Ángeles nos fala do Espírito de Deus como amor que purifica e acenda interiormente, que “vulcaniza”- chega a nos dizer em seus escritos – que nos capacita para conhecer e amar ao Filho e que, junto com o Filho, nos eleva até o Pai e nos introduz em sua intimidade.

E tudo vivido com Maria Imaculada, a Esposa por excelência, a Mãe que, introduzindo-nos em seu seio nos acerca a Cristo, que nos ensina a acolhê-lo e segui-lo com fidelidade e amor, que através do Rosário nos introduz na contemplação dos mistérios de seu Filho. A Mãe que nos ensina a viver como filhos no Filho amado e a oferecer a Ele nosso coração como morada perpétua, fazendo dele um templo vivo purificado e incendiado pelo fogo do Espírito.

Brilham em seus postos as estrelas e se alegram; e as chama, e respondem: Aqui estamos. E jubilosas refulgem para o seu criador.” (Bar 3, 34s). M. Ángeles é uma daquelas estrelas que Deus pôs no firmamento da Igreja que, chamada por Deus, fez de sua existência um permanente “ Aqui estou” e hoje brilha para seu Criador. Se a olhamos atentamente nos contagiará algo de seu resplendor e também nós escutaremos a voz do Pai que nos chama por nosso próprio nome a brilhar gozosos para nosso Criador.

Ir.María Nuria Camps Vilaplana, OIC

Em: http://angelesorazu.blogspot.com.br/2011/06/angeles-sorazu-quien-es.html

Tradução: José Eduardo Câmara de Barros Carneiro