Temos a alegria de apresentar mais um dos belos escritos da Madre Maria Teresa Desandais, que formam o patrimônio espiritual da Obra do Amor Misericordioso, tão difundidos na Espanha pelo Servo de Deus Padre Arintero.

JESUS, LAÇO DE UNIÃO

Consumação na unidade (Joan. XVII, 23).

         (De “La Vida Sobrenatural” de Salamanca, vol. 4, 1922.)

Eu estou neles e Vós em Mim. –  Eis aqui claramente expressado pelo próprio Jesus, em duas palavras, o duplo e grande mistério da caridade. Eu estou neles e Vós em Mim, para que sejam consumados na unidade. Consumados na unidade por Mim que sou o “Divino Mediador”.

Eu, Jesus Cristo, Deus e Homem, estou neles por minha graça, e venho aperfeiçoar cada dia (se o querem) essa união por minha Eucaristia, que me une a eles da maneira mais estreita que se possa conceber. Minha Santa Humanidade glorificada, unindo-se a sua humanidade, lhes assegura um contato mais íntimo e mais eficaz com minha própria Divindade, que recebem, que eu lhes dou… de tal sorte que, ao mesmo tempo, se penetram e se alimentam de minha Humanidade e de minha Divindade.

Neles está a minha Santa Humanidade e neles habita também minha Divindade, pois eu estou neles.

Por mim vão ao Pai, por mim vem o Pai a eles – e do mesmo modo – eu sou o laço de união entre eles. Eu que estando neles com o Pai, em cada um deles, faço assim o cimento de união entre eles e os consumo nessa dupla unidade: com o Pai e entre si.

Porque eu estou neles, tem acesso ao Pai; porque eu estou neles, podem ser um entre si.

O cimento dessa união é minha Eucaristia, justamente chamada comunhão… comum união.

Sendo minha Santa Humanidade o selo com que marcou sua humanidade para dispô-los a essa união, é, pois, muito importante para as almas, comungar bem, conforme o fim de meu Sacramento, que é o que agora te descubro.

Minha Eucaristia é para vossa união comigo e para a união de todos vós juntos. Mas quando as espécies se consumiram, fico em vós e permaneço em vós como permaneço no meu Pai; Eu moro em vós por meu Espírito Santo que vos dei e volto a vos dar então de novo; pois que quando eu venho, trago-o a vós, e o Pai  aí vem também.

Eu sou o que vem, o Verbo, a Palavra… Jesus Cristo; mas sou inseparável do Pai e do Espírito Santo.

Na Sagrada Comunhão, deixai-me pois entrar em vós, estabelecer-me em vós com meu Espírito e meu Pai; – abri-me bem todas vossas potências, trazei-me todos vossos sentidos para que tudo em vós seja santificado por minha presença, por minha ação, por meu poder, e eu possa realizar em vós o que eu pretendo.

Entro então na alma que me ama e ceio com ela e ela comigo; a nutro de mim mesmo e ela se dá a mim – e eu a consumo em mim – e com ela em mim, consumo a todos aqueles que pela fé me estão unidos.

Isso é um mistério, mas meu Divino Espírito ilumina as almas que vem a mim pela fé, e em mim elas encontram a Vida.

Nada há maior sobre a terra que a Comunhão; ela é a verdade, o gérmen da Comunhão dos céus. Faz circular em vossas veias o sangue de um Deus, vos assimila a sua substância, vos penetra de sua essência. Que mais posso eu fazer?

Mas o homem livre, inconstante, não sabe o que faz, se mostra indiferente a esse incomparável benefício de entregar-me a ele para que ele se entregue a mim, e que vos une juntos por laços de Amor e o efeito da caridade.

Pede-me para toda criatura que saiba comungar bem… Na verdade, se o fizesses, se produziria insensivelmente nas almas uma mudança maravilhosa: a caridade seria mais fácil e cada alma mais acessível ao Amor, ao contato divino e vossas mútuas relações, cheias de unção, chegariam a ser, sob a ação da graça, a reprodução de minha Vida sobre a terra.

Não haveria divisões: reinaria a paz, a harmonia, a alegria, a verdade; aquilo seria o triunfo do Amor e a Vida Eterna que já começaria para vós… Essa foi minha vida, essa a da minha Santíssima Mãe; e essa foi também a vida de todos meus santos, tanto mais santos quanto mais conformes a mim e melhor cumprem o que lhes ordeno.

* * *

A santidade consiste em tomar a forma de Jesus Cristo. Para ser Santos, devereis recorrer a Maria, pois eu quero que vaias a ela com grande confiança.

Para ser santos deveis conservar em vós meu Espírito Santo, escutá-lo sem cessar e fazer docilmente tudo o que vos diz a cada instante, aderindo ao que ensina, com toda sua simplicidade.

O que age assim é verdadeiramente santo… Meu Amor reina nele e então eu moro nele  e me estabeleço.

Agora bem, cada um de vós deve aspirar a essa feliz condição; pois todos deveis ser bem-aventurados.

Reinando Eu, tudo é paz e gozo no Espírito Santo… Até em meio aos maiores sofrimentos, quando estou na alma e a uno comigo, é para a alma de fé o verdadeiro gozo, pois assim imita melhor a Mim crucificado; e muito longe de querer descer da sua cruz, beija-a com amor… e adora… esse dom do meu Coração… bendizendo minha escolha. Para minha humilde Amante basta que esse seja meu gosto e meu querer; a faço em verdade morta, em aparência, e como indiferente a todo objeto criado; Sou Eu tudo para ela e ela é tudo para Mim.

Mas sua caridade é viva e ardente, transborda por amor à Mim. Os que veem essa alma serena e contente, livre e desprendida, sem olhar a si mesma, correr atrás das penas, ocultar os sofrimentos e sempre sorrindo para dar ao próximo, a quem ama, um pouco de alegria, e dilatá-lo para lhe abrir para Mim…; os que veem essa alma então, reconhecem que há nela outro ser que não é ela, um Ser mais forte, que a guia… e a faz agir elevando-a sobre si mesma. Seu pensamento sobe então para o Ser supremo; veem que essa alma faz tudo por Mim, que eu sou verdadeiramente Jesus, Filho do Pai, que venho para salvar a humanidade, para livrá-la das ataduras da terra e da escravidão do deleite. Compreendem que sou verdadeiro Deus e que Vós, meu Pai, me preparastes, com vossa caridade, sua humanidade culpável e miserável, e que verdadeiramente Vós, seu Deus, lhes amastes como ama um bom pai e como amastes a Mim mesmo. .

Vosso Coração não conhece limites: o amor por vossa parte não os tem; é infinito, puríssimo e santíssimo, existe em Vós desde a eternidade.

Mas para eles, é preciso que se abaixe; busca ao pobre, ao humilde e ao pequeno. Então esse se entrega, ama com ternura… comprime e submerge seu nada no Todo sagrado.

Ardendo então em vossa fogueira, esse nada miserável encontrou verdadeiramente… a paz, o descanso, a suprema felicidade: o amor de seu Deus lhe purificou… Fora de si exclama a alma: Quero devolver a Deus amor por amor, chegar a ser sua viva Hóstia, sofrer e morrer como meu Jesus; por todos aqueles que Ele quer, por todos aqueles que Ele ama, entregá-los a seu Pai e devolver a Ele o amor e a glória… que o próprio inferno lhe queria arrebatar. Eu quero dar a Jesus sobre a terra, tudo que sou, tudo quanto posso, me consumir por Ele e, da minha miséria, formar para ele um trono de onde saia uma voz que diga constantemente a todos os pobres, a todos os que sofrem, a todos os que penam: “Ó, vinde a Ele… Nosso Pai é a própria Bondade… É nosso Deus! Mas para o pequeno têm indizíveis ternuras… É um Coração sem fel, cheio de amor e de misericórdia. É manso e humilde; mas quer também encontrar seus traços em todos os que ama; e quanto mais os conhece, tanto mais os quer”.

 * * *

Ó, Jesus Amor… meu Todo e minha vida… sede verdadeiramente Rei da humanidade: pois para isso se dignou o Pai eterno vos enviar!

Queremos, Jesus, queremos voltar por vosso glória. É preciso que em todo lugar sejais amado, sejais conhecido, ó Verbo do Pai, Palavra de Amor, Rei de Glória… Quanto fostes humilhado na terra, tanto e incomparavelmente mais deveis ser glorificado na terra e nos céus, com a glória que haveis adquirido manifestando o verdadeiro nome de vosso Pai e o Vosso… ,

Amor Misericordioso!

Creio… adoro…

No céu, na terra e nos infernos, proclamem todos vossa Realeza, vossa glória.

Quem como Deus!

Agir assim, nutrir-se incessantemente da vontade do Pai Celestial… é a vida do céu… na terra, para a alma e para Jesus; mas para a alma, no mistério, nas trevas da fé.

Ali está a verdade, a alma se adira a ela e creia!…

P. M. SULAMITIS.

(Com aprovação eclesiástica)