Grandes contrastes

Venerável Padre Pablo Maria Guzmán

 + 27 de março de 1959.

Sexta-feira Santa.

NP orando 15Sinto que há na minha vida grandes contrastes, porque sabendo-me pobre, me sinto rico; sendo pequeno, me sinto com a segurança do forte.

Mas me parece compreender o segredo desses contrastes. Na realidade, o tudo de minha vida é Jesus.

Sinto-o meu e todos seus méritos também os considero meus. Alegro-me sendo pobre, porque o pouco que tenho, dei-o a Jesus pelas mãos de Maria.

Se alguém me perguntar com o que conto, não saberia dizer-lhe, porque nunca guardo nada, dou tudo a Maria, para que entregue a Jesus. O maior que posso possuir, a Missa, também presenteei a Maria, como “escravo de amor” que sou de Jesus em Maria.

Não conto com nada, senão com a misericórdia de Deus para minha alma.

Vivo de esmola, da caridade da Santíssima Virgem. Somente assim me sinto seguro e feliz. Por isso, minha alma está hoje em festa, recordando que Jesus morreu por meu amor e que me deu como Mãe sua própria Mãe.

Me sinto feliz porque com sua morte de Cruz, me alcançou o dom do Espírito Santo.  E Ele vem para santificar-me. Não veio por meus méritos, senão pelos de Jesus. O que me pede é BOA VONTADE e uma entrega total, e, alegremente, lhe ofereço tudo isso.

Senhor! Que nunca me sinta grande; mas que sempre confesse tua grandeza e eternamente conte tuas misericórdias.


(cf. Margarita M. González Tizcareño Muñoz, M.E.SS.T. “Sé en Quien he confiado…” Biografía del Siervo de Dios Pablo Ma. Guzmán, M.Sp.S.; México. 1995, pg. 186-187)