VIVÊNCIAS QUARESMAIS

DA SERVA DE DEUS

MADRE MARIA DAS DORES E PATROCÍNIO

No Mosteiro de Manzanares  em 1864

Escrito por sua secretária Rvda. Madre Isabel de Jesus

(1ª edição “VIDA ADMIRABLE”; 2ª edição “SOR PATROCINIO”)

Na Reforma do Mosteiro de Manzanares (Ciudad Real, na Espanha) em 1864, este era muito pobre e a Serva de Deus, pediu a suas Comunidades que fossem pródigas em ajudar para prover do necessário esse convento. Encomendou duas dezenas de cruzes grandes para as procissões e atos penitenciais. Essas cruzes são formadas de dois troncos grossos de árvores não trabalhadas, e bem a propósito para os exercícios a que se destinavam. As temos em todos os conventos da reforma e são o melhor adorno de nossos claustros.

Na vida da Serva de Deus, fazíamos uso de ditas cruzes com muita frequência, sempre que ameaçava alguma calamidade para a Santa Igreja, e para Espanha. Também na Quaresma e durante os Santos Exercícios.

 Um fato memorável aconteceu estando a Serva de Deus em Manzanares.

Réplica menor de Jesus de Manzanares

Foi o caso que sendo muito velho o cordão que segurava a túnica da Imagem de Jesus do Perdão, Patrono da Cidade. Uns senhores muito piedosos presentearam um muito bom. Apenas o colocavam, por si só caía no chão. Sabendo disso a Serva de Deus, pediu de esmola um cordão bom e ao cingir com ele a Sagrada Imagem lhe advertiram do que acontecia, ela respondeu: “Bom, os Senhores o ponham e veremos”. O puseram e Jesus o acolheu tão bem que não voltou a soltar, até o dia em que isso escrevo.

Com essa Sagrada Imagem de Jesus do Perdão aconteceu que, ansiando a Serva de Deus, adorá-la de perto, pediu a passassem pela clausura ao ser transladada num dos dias da Semana Santa, mas lhe disseram, que não era possível que a Imagem passasse pela porta dos Sacramentos, por ser muito baixa e estreita, respondeu a Serva de Deus: “Sim, sim, entrará, sim, cabe”, colocando sua bendita mão sobre o andor. Ó maravilha de Deus! A Imagem do Divino Nazareno carregando a Cruz, penetrou sem dificuldade pela dita porta, como se fosse de goma ou de cera mole.


Ver também: Vivências Quaresmais da Madre Patrocínio  1 – Durante o Desterro da França