CONTEMPLAÇÃO EUCARÍSTICA

Serva de Deus Elisabeth Leseur


19 de fevereiro de 1913

“Esta manhã depois da comunhão, tive uma rápida visão, o pensamento de três tabernáculos onde reside Jesus:

Primeiro, a amplidão do seu Céu, o seio inacessível da Trindade, na união inefável de sua Humanidade à Divindade. É o tabernáculo de sua glória, onde não O poderemos contemplar senão depois de termos despido nossas vestes mortais.

Depois a Hóstia, onde Ele se encobre para aproximar-se de nós, viver no meio de nós, sempre pronto a receber-nos, escutar-nos. É o tabernáculo do seu amor.

Enfim, a nossa alma, onde vem pela Comunhão, unindo-se a ela de modo admirável, fazendo-se seu Hóspede, Amigo, Alimento espiritual, ficando ainda nela espiritualmente, mesmo quando cessou sua presença substancial. É o tabernáculo de seu Coração, o seu lugar de delícias, de repouso, de alegria.

Oh! Como quisera que minha alma fosse para Ele ao mesmo tempo um céu, um tabernáculo e essas aparências santas sob as quais vem a nós! Atrás desse véu, onde se esconde meu Senhor, eu O deixaria irradiar, atrair as almas, as almas queridas que Ele quer salvar”.

(Jornal e Pensamentos de cada dia)