SERVA DE DEUS MARIA TERESA CARLONI

APÓSTOLA DA IGREJA PERSEGUIDA

“A minha única riqueza foi o amor”

(URBANIA, 8 OUTUBRO 1919 – 17 DE JANEIRO 1983)

Viveu numa cidade das Marcas, Urbania, encontrou-se a percorrer um caminho extraordinário de fé e de serviço, guiada espiritualmente, desde 16 de abril de 1951 até a morte por seu pároco Mons. Cristoforo Campana (1920 – 2006).

Pôde entrar em contato com Pio XII, João XXIII, Paulo VI e João Paulo II e com eminentes pastores da Igreja, em particular da Europa centro-oriental, nos anos difíceis da perseguição e do martírio. Paulo VI em dezembro de 1963 lhe conferiu a condecoração “Pro Ecclesia et Pontifice”.

Foi favorecida pelo Senhor com dons místicos extraordinários: os estigmas, as três horas de participação na Paixão de Cristo (especialmente na sexta-feira), a bilocação, o glossolalia, o carisma profético.

Um dos seus filhos espirituais do Sudão, Padre Pietro Magalasi, recordando-se dela a definiu “Apóstola da Igreja perseguida”.

Em novembro de 1982, o Cardeal František Tomášek de Praga, lhe escreve: “Quem trabalha pelo Reino de Deus faz muito. Quem reza pelo Reino de Deus faz mais. Quem sofre pelo Reino de Deus faz tudo. Eis a vossa missão”.


“É preciso sofrer e amar sem nada mais pedir”.

“Hoje [ó Senhor] vejo em Ti, Deus, com num dia vi em Ti só o homem… Que coisa posso oferecer-te? De próprio, não tenho senão um corpo dilacerado, mas tudo aquilo que possuo, o coloco aos pés do teu Altar… Nele há ainda um coração que anela palpitar uníssono com o Teu… Eu o coloco sobre o teu Altar e o ofereço a Ti em voto de perpétua castidade”

“Aquilo que é possível eu fiz, aquilo que é impossível o farei”.

“Isto te peço [ó Maria] consagrado-me cada dia mais ao sacrifício completo, a renúncia desinteressada, anelando somente ser também eu como tu, a serva do Senhor… Aceita-me como vítima e torna santos estes teus eleitos [os Sacerdotes]”.

“A maternidade espiritual é bem superior àquela da carne, porque não circunscrita nem ao tempo,  nem ao espaço; abraça a infinitude como é infinito o espírito”.

“Sofri muitíssimo, porém mais sofria, mais ainda sentia poder sofrer. Acreditei poder compreender, nisto, que os perseguidos… diante do martírio sabem resistir… O martírio bem suportado é heroísmo no campo humano, mas – transportado ao sobrenatural – é condição lógica, normal daquele que pode dizer: Não sou eu quem vivo, mas é Cristo que vive em mim (Gal 2,20). Talvez naquele momento sou um alter Christus. E isso não enche de orgulho: nos sentimos criaturas miseráveis e isso se toca com a mão; se tem uma prova tangível que a força em nós não é nossa, mas nos é transmitida em força de uma graça atual”.

“A Misericórdia não me abandonou. Se não fosse estado assim, não poderia hoje firmemente crer num Criador-Pai, num Redentor-Irmão, num Paráclito-Mestre”.

“Sofro, ofereço, vivo”; “Vivi por amor a todos”

ORAÇÃO

Santíssima Trindade, humildemente te agradeço ter dado a Igreja Maria Teresa Carloni, forte exemplo de vida cristã, de fidelidade à graça recebida, de serviço aos irmãos em dificuldade material, moral e espiritual e de apostolado entre aqueles mais perseguidos.

Digna-te, Senhor, glorificá-la também na terra para Tua glória, a sua exaltação e o nosso encorajamento. Te suplico com toda a minha fé e com propósito de melhorar minha vida, conceder-me a graça que te peço (se exprime a graça desejada), confiando na Tua divina Misericórdia por intercessão da Serva de Deus.

Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Com aprovação eclesiástica.

AQUELES QUE RECEBEM GRAÇAS, PEDE-SE ENVIAR A

Ufficio Postulazione

Arcidiocesi di Urbino-Urbania-Sant’Angelo in Vado

Piazza Pascoli, 2

61029 Urbino (PU)

E-mail: postulazione@arcidiocesiurbino.it


Para profundar sua vida e sua missão eclesial:

Maria Teresa Carloni


Fonte: http://www.mariateresacarloni.org/it/preghiera/preghiera.aspx