Santa Missa

Servo de Deus Padre Dolindo Ruotolo

( 1882 –  1970)

Sacerdote Napolitano


08 de novembro de 1926

Muitas vezes, quando se assiste a Missa, se está como sobre o Calvário, com a mesma companhia do Gólgota.

Este é o espetáculo: um Sacerdote que imola como um carnífice…

Um altar deserto e esquálido, como o alto do Gólgota.

Uma multidão que assiste insultando o Senhor sem saber o que se realiza no altar.

Uma mãe dolorosa que chora: a Igreja!

Algumas mulheres piedosas, de lado, rezam…

E, depois, as trevas do mistério, o frio da indiferença, a agitação das paixões, que sacodem os montes, isto é, as almas dos “grandes”, e abrem os vales, isto é, as almas dos mais “humildes”!

É um espetáculo doloroso, no entanto, é precisamente neste mesmo momento que se cumpre a maior ação da nossa Fé!

É tão grande a Santa Missa, que precisamente por isso, Deus permite que a celebrem mesmo os indignos.

Um brilhante tem tal valor intrínseco, que nenhuma mão, por mais imunda que seja, pode deturpá-lo. Uma mão que deve pegar num linho branco deve estar limpa, mas uma mão que deve pegar um brilhante pode até mesmo estar suja, porque não pode causar nenhum dano ao brilhante.

A Missa é um tesouro inefável, mil vezes maior que toda a criação, é a oferta divina enviada – Missa– para Deus.

É a maior oferta que Deus jamais possa ter dos homens e, portanto, torna a terra objeto das complacências de Deus.

(in: Dolindo Ruotolo. Fui chiamato Dolindo, che significa dolore… … pagine d’autobiografia)