“Pede-me pelo Coração de Meu Filho”

Santa Maria da Encarnação

(1559- 1672)

Esposa, Mãe e Viúva. Religiosa Ursulina evangelizadora do Canadá

Das Cartas a seu filho, Dom Claude Martin, O.S.B.:

“Uma noite em que estava em nossa cela, tratando com o Pai Eterno da conversão das almas e desejando com um ardente desejo que o Reino de Jesus Cristo se realizasse, me parecia que o Pai eterno não me escutasse… isso me afligia, mas neste momento ouvi uma voz interior que me disse: “Pede-me pelo Coração de Meu Filho, é por ele que te atenderei”. Este toque divino teve seu efeito, porque meu interior se encontra numa comunicação muito íntima com este adorável Coração, de modo que não podia mais falar com o Pai Eterno que por ele.

Isso aconteceu comigo entre as oito e as nove horas da noite, e depois, em torna desta hora, é por esta prática que termino minhas devoções do dia; e não me recordo de a ter deixado, senão pela impossibilidade da doença; ou por não ter estado livre na minha ação interior. Eis aqui um pouco como me comporto quando estou livre falando ao Pai Eterno:

“É pelo Coração de meu Jesus, meu caminho, minha verdade e minha vida, que eu me aproximo de vós, ó Pai eterno.

Por este divino Coração, eu vos adoro por todos aqueles que não vos adoram; eu vos amo por todos aqueles que não vos amam; eu vos reconheço por todos os voluntariamente cegos que por desprezo não vos reconhecem.

Eu quero por este divino Coração satisfazer o dever de todos os mortais. Eu dou a volta ao mundo por encontrar todas as almas resgatadas pelo sangue preciosíssimo de meu divino Esposo. Eu quero vos satisfazer por todas por este divino Coração.

Eu a todas abraço para vos apresentá-las por ele, e por ele eu vos peço sua conversão; quereis sofrer que elas não conheçam meu Jesus e que não vivam por ele que morreu por todos?

Vede, ó divino Pai, que elas ainda não vivem. Ah! Fazei que elas vivam por este divino Coração”.

(16 de setembro de 1661)