Servo de Deus Frei Leopoldo Maria Musso, OFM (1850-1922)

 O SECRETÁRIO DO CRUCIFICADO

Servo de Deus Frei Leopoldo Maria Musso, foi religioso franciscano do Convento de São Tomé de Turim, onde será cozinheiro e porteiro. Ele recebeu do bom Deus a missão de propagar a Devoção-Adoração à Jesus Crucificado.

O Chamado de Cristo Crucificado 

Havia neste Convento Franciscano de Turim um antigo Crucifixo, que havia sido abandonado entre os objetos fora de uso. Porém no dia 13 de abril de 1906, durante a Sexta-feira Santa, foi novamente exposto num Altar da Igreja Paroquia.

Após este dia, este Crucifixo foi colocado no corredor do convento, junto a cela de Frei Leopoldo. Assim ele tomou o costume, de antes de entrar na sua cela, parar um momento diante dele para orar.

Um dia, precisamente no momento desta sua oração, passava o Padre Guardião. Frei Leopoldo, toma coragem e lhe diz: “Quanto desejo aquele caro Crucifixo!

O Superior lhe concede de bom grado, recordando-lhe que esta sagrada imagem por muitos anos foi venerada pelos fiéis, na Adoração da Sexta-feira Santa. Pede-lhe que sua primeira adoração seja feita na sua intenção.

Daquele dia em diante, Frei Leopoldo não deixaria passar um dia sem fazer a adoração a Jesus Crucificado, ali encontra conforme suas próprias palavras “o alimento dulcíssimo” da sua alma.  Assim lemos no seu Diário:

“No dia 2 de agosto de 1906, festa de Nossa Senhora dos Anjos, Jesus me fez compreender: ”Se faça devotamente a adoração como na Sexta-Feira Santa, e muitas graças e favores concederei a todos aqueles que, em graça de Deus, se prostrarem para me adorar”.

Frei Leopoldo, contemplativo da Cruz

Imagem característica desta Devoção. Em 1893, no Castelo de Viale d’Asti, Frei Leopoldo teve esta visão: uma alma elevada abraçada a Cristo Crucificado.

Assim na contemplação de Cristo Crucificado, Frei Leopoldo começa entender a vontade de Nosso Senhor. No seu Diário, vemos como Jesus e Maria, foram formando sua alma e conduzindo-a no caminho de santidade.

Lemos no seu Diário:

Transportado de amor santo por Maria Santíssima. Lhe perguntei: como posso fazer para consolar o teu Divino Filho na Cruz?

Farás como fazes agora: amai-o e fazei-o amar convidando as pessoas com a Devoção do Santíssimo Crucifixo, e assim caminharás com passos de gigante no caminho da santidade” (5 de novembro de 1908).

Na Escola de Maria Santíssima

A Santíssima Virgem será sua mestra no caminho da vida interior, e o exortará a ser fiel a missão que Jesus lhe deu. Frei Leopoldo deverá ser contemplativo e missionário da Cruz, formando almas e catequistas para Cristo Crucificado. No seu Diário, lemos as seguintes palavras de Maria Santíssima:

Leopoldo, a tua missão é aquela de fazer penetrar a Devoção-Adoração [ao Santíssimo Crucifixo] em todas as famílias cristãs, sob o comando do Santo Padre, o Papa” (21 de novembro de 1908).

  “A Devoção ao Divino Filho Crucificado cobrirá de Misericórdia todo o mundo ” (31 de dezembro de 1911).

 “Grandes frutos trará ao mundo a santa Adoração” (14 de abril de 1913).

“Tu estendes a Devoção-Adoração ao meu divino Filho Jesus Crucificado e na hora da tua morte, eu virei levar a tua alma; e tu estendes a devoção da Santa Adoração do meu Divino Filho Crucificado: eu te ajudo!” (18 de outubro de 1913).

Colóquios de amor com Cristo Crucificado

A vida de Frei Leopoldo se tornará um incessante diálogo de amor com o Esposo Crucificado.  Seu Diário mostra esta intimidade com o Crucificado. Assim nele lemos:

“O meu Jesus me disse: Me servi de ti para lançar a semente, agora eu a cultivo com a graça e com a caridade. Às almas que me amam estarei na santa ‘adoração’ sempre próximo e serei a sua santificação” (5 de outubro de 1906).

“Eis as graças e bençãos que difundo sobre os meus devotos: lhes concederei o dom das lágrimas, a compunção de coração e os alimentos mais necessários para a alma” (10 de outubro de 1906).

No jardim místico das devoções, aquela que está perto do meu coração é aquela do Santíssimo Crucifixo, fonte de todas as devoções: impugna as armas na minha defesa com a pregação, com a oração, para defender os meus direitos” (06 de janeiro de 1912).

“Bendizendo todos aqueles que praticam a santa Devoção, Jesus disse: Sentirás as grandes maravilhas realizadas por mim na santa Adoração  por meio daqueles que a praticarem” (08 de janeiro de 1912).

“Escreve: a todos aqueles que farão a Santa Adoração, darei tanta fé e continuarei a alimentá-los” (07 de janeiro de 1913).

“Recorda-te freqüentemente, durante o dia, destas palavras: Tu Me amas, Eu te amo!” (16 de setembro de 1913).

A Missão de Frei Leopoldo

Venerável Irmão Teodoreto

De modo mais concreto, Frei Leopoldo compreendeu que Nosso Senhor o chamava a divulgar em todo o mundo a Devoção-Adoração a Jesus Crucificado. E para realizar esta missão,  Deus uniu Frei Leopoldo ao Venerável Irmão Teodoreto (1871-1959), religioso lassalista, que, com o apoio espiritual de Frei Leopoldo, fundou a União de Catequistas de Jesus Crucificado e Maria Imaculada. Esta Devoção foi, por vontade de Deus, entregue aos Irmãos das Escolas Cristãs (Lassalistas), para que a promovessem. A Devoção, aprovada e indulgenciada por Sua Santidade Bento XV em 1915, foi traduzida e divulgada em diversas línguas.


Veja também: Devoção-Adoração a Jesus Crucificado