Na vida e nos escritos da

 Serva de Deus Madre María del Carmen Hidalgo de Caviedes y Gómez 

(1913 – 2001),

fundadora das Oblatas de Cristo Sacerdote


Três batidas do Coração de Cristo encontraram uma profunda ressonância na Madre María del Carmen, captados por ela com singular profundidade nas palavras breves e cheias de força da Sagrada Escritura, e repetidas muito freqüentemente em latim:

“Sitio”= “Tenho sede” (Jo 19,28)

“Pro eis” = “Por eles” (Jo 17, 9.19)

“Ecce venio” = “Eis que venho” para fazer tua vontade (Hb10,7)

Na Cruz, Cristo a chama a participar de sua “sede de almas”, de sua sede de que o plano amoroso de Deus se cumpra, de que o Espírito Santo se derrame em sua Igreja. Sede de santidade.

Na Eucaristia, lhe comunica seus desvelos por “aqueles que o Pai lhe deu”, e a convida a viver sua oração sacerdotal e seu sacrifício “pro eis”.

Na Sagrada Escritura, lhe descobre sua primeira batida sacerdotal ao entrar neste mundo: “Ecce veio”, que é uma entrega plena à vontade de Deus, incluída a aceitação da Cruz pela salvação do mundo. Enraizada nessa única oblação de Cristo (cf. Hb 10,14), toda a existência de María del Carmen será dinamizada por esta mesma batida de amor oblativo.

“Tenho sede”

Tinha 18 anos; é março de 1931, quando faço Exercícios Espirituais que foram decisivos.

Passo longas horas de oração com um constante e premente desejo: O que Deus quer de mim?

E com mais forte impressão que se o visse, com mais profunda marca interior que se o tivesse ouvido, se gravou de modo operante na alma o “Tenho sede!” de Cristo na Cruz. 

“Tenho sede!”. Como saciá-la?”

O momento de fulgurante iluminação e chamada para viver o “pro eis” ocorreu em 20 de julho de 1936, em Madri, na Capela das Capuchinhas, durante o bombardeio do Quartel da Montanha:

“Pro eis”

“Como atraída por um imã, me aproximo do altar, e ajoelhada nas grades, a um palmo do sacrário, como escutando a batida do Coração de Cristo, passou um raio de luz que atravessou minha alma, como algo que aprisiona e ilumina ao mesmo tempo, e penetrando com imensa profundidade o que é o sacerdote, me ofereço vítima “por eles”.

Batida do Coração de Cristo, transbordada de sua Alma na minha…

“Pro eis”: Sacerdotes, medianeiros entre Deus e os homens, outros Cristos. Santos!”

Contemplando Cristo Sacerdote na Carta aos Hebreus, a Madre María del Carmen encontra como o ponto essencial de sua oblação sacerdotal: “Ao entrar no mundo, disse: Não quiseste sacrifício nem oblação, mas me formaste um corpo; não aceitastes holocaustos nem vítimas expiatórias. Então, eu disse: Eis que venho – porque assim está escrito no começo do livro acerca de mim –  para fazer, ó Deus, tua vontade” . (Hb 10, 5-7)

“Ecce venio”

“É a primeira batida do Coração de Cristo, Coração cheio de Deus, cheio de infinito amor e misericórdia que responde à vontade salvífica do Pai com seu oferecimento:

 “Eis que aqui estou, ó Pai, para cumprir tua vontade”.

Como então, agora; é o mesmo Coração de Cristo com ânsias da Glória do Pai; é a mesma Sede, o mesmo forte palpitar, que lhe escapa na oração “pro eis”; o mesmo amor que se oferece.

Como então, agora é Ele, que repete na alma:

“Eis que venho, Pai, cumprir tua vontade”.

 (MARÍA DEL CARMEN HIDALGO DE CAVIEDES, Escritos)


Fonte: Hoja informativa de Sierva de Dios Madre Mª del Carmen Hidalgo de Caviedes y Gómez Fundadora de la Congregación Hermanas Oblatas de Cristo Sacerdote