Da Autobiografia da Beata Dina Belánger (1897 – 1929)

“Esta manhã, no momento das resoluções durante minha meditação, Nosso Senhor me disse:

– Queres, minha pequena esposa, me deixar irradiar no exterior a alegria que eu te dou interiormente?

Pela ênfase deste Queres, Ele desejava meu consentimento. 4Que mistério de bondade da parte de um Deus!

– Sim, meu Jesus, eu lhe respondi.

Aplica-te, ele retomou, a sorrir a tudo.

Reprime em silêncio tuas contrariedades, teus cansaços, tuas dores morais e físicas, e não te ocupes senão em me agradar sorrindo”.

(16 de maio de 1928).